Arquivo da categoria: Comida

Uma vez Paulista…

Palácio da Justiça, Páteo do Colégio

Palácio da Justiça, Páteo do Colégio

Estranhei a confusão no aeroporto, estranhei a estreita esteira onde as pessoas disputavam as bagagens. O free shop evitei, pois já tinha estranhado na última vez. Estranhei os caminhões na Dutra, a marginal com o rio cimentado, estranhei as avenidas largas e barulhentas, com seus estranhos prédios novos.

Estranhei, de tão deliciosa, a rabada que minha mãe preparou para me receber. Estranhei a felicidade dos meus amigos em saber que eu estava aqui, estranhei a disposição deles em vir me ver assim tão de repente. Todos eles. Foi estranho me sentir especial depois de tanto tempo.

O Fabão foi um dos que veio me ver

O Fabão foi um dos que veio me ver

Estranhei a pizza que chegou na nossa porta de noite, por ver que a conveniência não compromete o prazer. Estranhei as cervejas geladas, nessas latas pequenininhas que acabam rápido. Estranhei os debates acalorados sobre o Brasil, estranhei o quão tarde as pessoas deixam ficar por estarem gostando da conversa. Estranhei a falta da Denise.

Estranhei meu pai preferir a Avenida Brasil à Heitor Penteado para chegar na minha irmã. Estranhei a casa cheia de crianças. Estranhei o carinho do meu sobrinho, que acabara de passar 1/3 da vida dele sem me ver mas morria de saudades.

JC e Gus

JC e Gus

Estranhei as tomadas de dois pininhos cilíndricos, que não aceitavam meus aparelhos de longe. Estranhei não poder dirigir, pois, estranhamente, os motoristas irregulares estão sendo parados na rua. Fui até o metrô para ir à Santa Efigênia comprar adaptadores para usar meu computador e celular.

Metrô Brigadeiro

Metrô Brigadeiro

Estranhei o português que vazava das pessoas ao meu redor nas ruas e no metrô. Estranhei os nomes das estações. Estranhei ter estranhado ver as pessoas todas à direita nas escadas rolantes para ajudar os apressados. Estranhei quando meu cartão com chip foi aprovado para bancar meus gastos em reais.

Estranhei os apartamentos espaçosos onde meus amigos estão morando, e começando a popular com crianças que devem ter me estranhado. Estranhei a picanha, a calabreza e o queijo coalho que eles serviram na varanda. Estranhei seus planos, seus objetivos, suas conquistas.

Estou estranhando muito São Paulo. É estranho ser tão bem recebido por quem não te via há um ano. É estranho se sentir tão em casa num lugar que há muito não é sua casa. É estranho ver que tudo por aqui está tão diferente, mas tão igual. É estranho ver pessoas que conheci pequenas (em termos de idade ou de projeto de vida) terem crescido tanto junto com esse lugar. É estranho sentir ter participado disso tudo, mesmo sem ter tido.

Na verdade o que mais me estranhou foi o fato de que não estranhei nada. E comecei a estranhar a mim mesmo por isso. Estranhei como a minha vida foi para longe, mas ao mesmo tempo ela continua aqui, intacta. Tenho certeza que vou estranhar Covent Garden e St John’s Wood, e a minha casinha, e aquelas pessoas estranhas, falando aquela língua estranha, quando pousar em Heathrow depois dessa semana estranha.

SP e JC

SP e JC: the eternal bond

—————–

Peço desculpas: as fotos desse artigo são de viagens anteriores de JC à sua terra natal. Fotos novas não puderam ainda ser garimpadas por limitações técnicas, e serão apresentadas aqui em momento oportuno.

Anúncios

Londres

Salto em Picadilly Circus

Salto em Picadilly Circus

Uma pessoa se define por algumas decisões chave que tomou na vida. Uma profissão, um casamento, uma mudança para outra cidade, uma promoção no trabalho. Em cada uma delas vamos desviando nossa vida para aquilo que desejamos que ela seja – ou o que a realidade nos impõe – e passamos a ser as pessoas que somos hoje. Até que mudemos de rota de novo com outra decisão.

No meu caso, quiseram os caminhos da vida que eu viesse passar um tempo aqui em Londres. E lá se foram mais de 3 anos. Quando se tem que tomar uma nova decisão que pode mudar tudo, escrever ajuda a enxergar tudo aquilo que temos e podemos deixar para trás em nome de outra vida que podemos viver no futuro.

Pois então vem aqui um tributo à nossa vidinha em Londres.

Arrumando o apezinho

Arrumando o apezinho

Tem o apartamentinho na Floresta de São João, pequenino mas adorável. Fica pertinho do centro, a uma quadra dos estúdios de Abbey Road onde músicos que mudaram o mundo gravavam suas genialidades.

Dentro do ap tem o sofá, cuja capa nós trocamos na Ikea. Tem a geladeirinha de Stellas, que realiza o sonho de tomar cervejas sempre geladas sem levantar do sofá. Tem a TV onde assistimos a alta qualidade das produções britânicas, e aprendemos a adorar os programas de imóveis, culinária, e reality shows que o pessoal daqui também adora. Tem o XBox, com o Rainbow Six Vegas, o GTA 4, o Fifa, o Halo, para desestressar.

Minha geladeirinha querida

Minha geladeirinha querida

Daí, no final de semana, saímos eu e Denise para uma gostosa caminhada de 1.5km até o Sainsbury’s. Fazer supermercado é um prazer, escolhemos as coisas que gostamos, comparamos preços, experimentamos coisas novas, e damos risadas. Cada compra nos dá pontos no programa de fidelidade do Sainsbury’s. Colocamos tudo no “carrinho da vovó” e na sacolona da Ikea para não usar as sacolas plásticas que agridem o planeta. Pegamos o 187 de volta para casa e guardamos as compras.

Aprendemos a cozinhar, e nos divertimos fazendo almoços e jantares diferentes. Tem o “bacon & egg” da Denise, tem o meu risoto de frutos do mar, teve a moqueca que fizemos para o Eric Feddal (o gaulês), tem os omeletes, tem o Sunday roast. Plantamos manjericão e coentro em casa. Compramos apetrechos novos para a cozinha.

Hamburgão com guaraná

Hamburgão com guaraná

Sunday Roast em casa

Sunday Roast em casa

Tem a nossa pequena DVDteca que aumenta quase a cada semana. A Denise volta do trabalho e compra uns DVDzinhos novos para a gente assistir. Séries de TV americanas e britânicas, filmes daqui, filmes de outros lugares. Devoramos tudo no nosso sofazinho, saboreando nossos quitutes e tomando as cervejinhas da geladeirinha de Stellas.

Tem a nossa turminha, a Débora, o Fabian, a Juliana, o Stuart, o Mark Stanko, o Mark Huckstep, o Roger e a Cláudia lá em Yorkshire. Tem o pessoal que vem visitar – neste ano vieram Xaxá, Fatinha e Felipão, veio o Thiago Reimão, veio o Victor Adura e o Luigi, a Marise e o Gustavo, o George, A Julinha e a Renata, o Felipe Aquilino, o Pinhal, a Maria Helena. Temos o maior prazer em receber – a casa é pequena mas o coração é grande.

JC+D com Mark e Lisa Huckstep

Com Mark e Lisa Huckstep

De, JC, Juliana, Debora, Claudia, Roger

Com Juliana, Debora, Claudia, Roger

Baker Street Station

Baker Street Station

Tem o metrô de Londres, que a gente adora criticar mas que leva a gente pra todos os cantos. Tem o 139, que a gente pega aqui na esquina e passa em quase todos os lugares turísticos. Tem a bicicletinha que a Denise acabou de comprar, e que nós montamos sozinhos aqui em casa. Tem os vôos baratos para tudo quanto é canto da Europa. E bendito seja o Heathrow Express, que leva ao aeroporto em 15 minutos.

Tem a caminhada do Southbank, de Waterloo até a Tower Bridge, com o Founder’s Arms e o Honiman at Hay’s para paradas merecidas no caminho. Tem Covent Garden (Covent Góóden para os locais), com os artistas de rua, os Scottish Pasties e os pubzinhos onde eu me encontro com a turma da Denise depois do trabalho. Tem a Edgware Road, onde vamos comer um kebab sempre que dá vontade. Tem a Finchley Road e a Tottenham Court Road, onde compramos tudo o que precisamos (o que não vende nessas ruas não existe). Tem também o Guanabara, para a gente matar as saudades da terrinha, com música brasileira ao vivo e Brahmas no balcão.

Edgware Road

Edgware Road

Thames South Bank

Thames South Bank

Londres tem brasileiros de todas as origens. Tem indianos, japoneses, chineses, árabes, judeus, franceses, mexicanos, escandinavos, moçambicanos, australianos, italianos, russos, malaios, poloneses, Trinidad&Tobaguenses. Ah, de vez em quando tem uns ingleses também.

Em Londres as pessoas se preocupam com o meio ambiente (como se as atitudes de algumas pessaos nessa ilhazinha fossem salvar o planeta), com a saúde, com a justiça. Em Londres as regras são claras e quase todo mundo as respeita. Em Londres você não precisa reconhecer firma em cartório, e compra a passagem do trem mesmo quando ninguém vai checar.

London Eye + Big Ben

London Eye + Big Ben

E assim é a nossa vidinha. Eu encontro a Denise em qualquer ponto da cidade, e caminhamos durante horas. No caminho paramos para tirar fotos e comprar uma cerveja nas lojinhas de indiano. Chegamos em casa cansados de andar, botamos um camembert para assar e colocamos um DVD novo que compramos, para assistir e dormir, sem antes um de nós dois dizer:

“É boa a nossa vidinha aqui em Londres”.

Foi mal. Ficou meio longo o post. Mas eu queria deixar o registro.

Manjericão

Comer bem a preços justos em Londres é um desafio. A cadeia de valor que leva os alimentos do produtor até o prato é pesada. Chefs renomados, aluguéis estratosféricos e garçons-artistas tornam proibitivo o costume de comer em restaurantes. A comida “semi-pronta” do supermercado também traz o custo de processamento e overheads do supermercado.

Não tem jeito: tem que aprender a cozinhar. Quer uma lasanha à bolonhesa? Nada de ir em trattorias, nem apelar para a lasanha de microondas do supermercado: compre a massa e os tomates, moa a carne, pesquise como preparar uma lasanha, e voilà! Só assim se come bem gastando-se pouco (depois de algumas tentativas, pelo menos).

Quanto mais “crus” e menos processados os ingredientes, maior parte do valor é você que adiciona ao prato e tira dos intermediários. Sendo assim, o ultimate saving é você cultivar sua própria comida.

Confesso que quando compramos as sementes de manjericão e o “Miracle-Gro” (uma terrinha vitaminada), eu estava bem cético. Afinal, tirando a experiência de escola de plantar um feijão no algodão molhado, eu nunca tinha conseguido fazer uma semente crescer na terra (e olha que já tentei…)

Manjeriquinhos em 5 de abril de 2008

Mas não é que a coisa brotou mesmo?? Em menos de uma semana já começaram a aparecer os primeiros manjeriquinhos aventureiros saindo da terra à procura do sol. Logo era uma multidão de manjeriquinhos disputando o pequeno espaço do vaso.

Algumas semanas depois, nossos manjericos já tinham múltiplas folhas e começavam a exalar aquele aroma gostoso. Hoje, feriadão aqui na Bretanha, fui dar uma olhada no manjericão e fiquei orgulhoso. A planta já está vistosa e perfuma a cozinha. Em breve acho que já vamos poder fazer o nosso primeiro molho de macarrão com os nossos manjericões!!

Manjericao em 26 de maio de 2008A empolgação é tanta que este sábado já compramos sementes de coentro e colocamos num outro vaso. Também temos umas sementes de maçã plantadas (essas fizem que é mais difícil “pegar”, mas estamos esperançosos). Um amigo nosso planta morangos e tomates, estamos tentados. Afinal, ainda temos um monte de miracle-gro sobrando… Qualquer dia desses vamos ter uma verdadeira mini-horta aqui no nosso mini-apartmento.

O próximo passo é ter o nosso próprio quintal e criar nossas galinhas, porcos e carneiros!! A independência total do sistema de distribuição que arrocha o consumidor. A subsistência completa, no coração de uma das capitais do mundo desenvolvido!

Utopia?? Fantasia?? Insanidade??

Claro que sim….

Sukiyaki

Sukiaki + JC

O pessoal acha que comida japonesa se resume a peixes crus, algas e molho de soja frios.

São tolos.

O sukiyaki é uma verdadeira celebração dos sentidos. Carne, vegetais, cogumelos, tofu e harussame (espécie de macarrão transparente) juntos, na chapa, com um molho à base de sake e shoyu.

A degustação do prato é um ritual. A moça primeiro traz o pequeno fogareiro típico e o coloca na nossa frente. Depois traz um prato com todos os ingredientes crus e os vai calmamente depositando sobre a chapa já quente. Ao final irriga aquela mistura com o molho.

Depois de uma pequena espera, na qual se observa o cozimento dos alimentos e se ouve o borbulhar da água fervente, chega a hora de finalmente ingerir a maravilhosa mistura. Seleciona-se os ingredientes que se quer comer e os coloca na tigela (tradicionalmente já contendo um ovo cru batido, mas tem gente que não gosta disso). O sabor, a temperatura e a textura são inconfundíveis. Entre uma mordida e outra, o arroz japonês “limpa” a boca e renova o paladar.

Um sukiyaki no Sushi Yassu (R. Manoel da Nóbrega) sai por R$ 49,00 para 2 pessoas e alimenta bem. Em Londres, no Nambu Tei, o mesmo prato custa £ 22.00 por pessoa (algo como R$ 170,00 para 2 pessoas). Por isso resolvo acumular toda minha fome de sukiyaki na Bretanha para vir saciá-la aqui em solo tupiniquim.

A Denise Neves não gostou muito, mas ela vai aprender. O Sukiyaki é como música clássica e Guiness: requer certa boa vontade de início, mas depois sua apreciação é um verdadeiro deleite.

Fica aí a sugestão para seu próximo jantar a dois. Sukiyaki. Tem em tudo que é restaurante japonês (se não tiver, desconfie), e eu garanto que você irá impressionar sua companheira.

Bom apetite!

Notas:
1 – Caro Reimão, taí o título que você tanto queria!
2 – Foto © Denise Neves, Maio 2006.

Ronda (London Lunchtime)

Eric Feddal e JC

De dia eu rondo a cidade
Buscando um lugar para almoçar
No meio ruas estreitas
O sanduíche frio, não dá pra aguentar
Volto pra casa abatido
Desencantado da vida
Em Londres não adianta tentar, a comida não dá

Ah, se eu tivesse quem bem me quisesse
Esse alguém me faria
Um bife, farofa e arroz
Feijão todo dia

Porém, com tremenda paciência
Volto a procurar, e hei de encontrar
Um pub que sirva um prato
Que mate a fome e não custe um milhar
E nesse dia então
Eu posto aqui com emoção
Sobre as delícias do mundo encantado do João

(O almoço de ontem até que não foi dos piores – comida Tailandesa bem honesta com um pint de Carling e a companhia de Eric, o gaulês, no Robgoblin. Recomendo!!)